Hipnose clínica – hipnoterapia

Imagem consultorio 9

Psicologia Previtali

Onde estiverem duas pessoas numa relação, seja ela familiar, terapêutica, religiosa, educacional ou profissional temos aí uma situação de hipnose. Freud diz que “é impossível exagerar o ganho científico trazido pelo hipnotismo”.

Há uma linha divisória na hipnose antes e depois de Milton H. Erickson, psicólogo, médico, mestre em psicologia e medicina. Com ele não se usa aquelas formas caricaturadas em circos e filmes – em que o hipnotizador usa batidas de gongo, pêndulos, luz ou penumbra para induzir a atenção do público. Este método era realizado de fora para dentro. A hipnose ericksoniana, também chamada de “materna” ou “light” é feita pelo relaxamento, de dentro para fora. Erickson recriou com uma multiplicidade de técnicas o método descoberto e deixado por Freud por influência da tradição positivista e pela escola mecanicista que dominava a fisiologia dos seus dias.

Que é hipnoterapia ericksoniana? É um tipo de psicoterapia que usa o relaxamento do corpo com um estado leve da mente em baixo consumo de energia em ambos. Parece o sono. Apenas “parece”, porque o cliente tem o controle de tudo, ouve tudo e abre os olhos quando quiser.

Como acontece? Com o cliente sentado ou deitado, de olhos abertos ou fechados, com uma música relaxante de fundo, conforme o gosto pessoal. O interessado vai se desligando calma e agradavelmente do seu entorno, voltando-se mais e mais para dentro de si mesmo. Como numa gangorra, a parte de sua mente consciente desce e a inconsciente sobe trazendo seus potenciais de cura. O terapeuta faz as intervenções com as técnicas correspondentes. Toda hipnose é uma auto-hipnose. No projeto da existência humana houve uma dotação de energia com todos os recursos vitais para o seu bem-estar. A mente consciente não alcança todo o potencial que a mente inconsciente possui. Isso se dá numa baixa frequência das ondas cerebrais.

 Ondas cerebrais

O que são ondas cerebrais? São as pulsações do cérebro, o ritmo do emprego de energia conforme o estado emocional de cada um.

  1. Ondas Beta – vigília – muito agitadas, de 14 a 40 ciclos por segundo (Hz)
  2. Ondas Alfa – relaxamento – mais lentas, de 8 a 14 ciclos por segundos (Hz)
  3. Ondas Theta – sono – de 4 a 8 ciclos por segundo (Hz)
  4. Ondas Delta – relaxamento profundo ­– de 0,5 a 4 ciclos por segundo (Hz)

Ondas cerebrais Psicologia Previtali

Como se dá a psiconeurofisiologia da hipnose? A hipnose usa fundamentalmente o sistema nervoso autônomo, responsável pelo processo muscular e glandular, que controla os subsistemas simpático e parassimpático O ramo simpático atua na excitação do organismo preparando-o para as emergências de medo, luta ou fuga, dispersando energia. O parassimpático, inversamente, age no estado de repouso e na conservação de recurso energético. Normalmente essas duas subestruturas funcionam antagonicamente, regidas pelo hipotálamo. Em 1977, o cientista Weiner confirmou o tratamento por hipnose em múltiplos transtornos psicossomáticos e em 1981, Ader demonstrou por estudos psiconeuroimunológicos como o sistema imunológico se comunica com o hipotálamo através de imonotransmissores nomeados “moléculas mensageiras”.

Relaxamento

Para que serve o relaxamento? Ele é a base da cura mente-corpo ativando recursos no sistema nervoso autônomo, endócrino e imunológico, estimulando as moléculas mensageiras (neuropeptídeos, citocinas, hormônios e neurotransmissores) que modulam o prazer e a emoção, equilibram as defesas, a motivação e o ânimo, regulam o metabolismo e facilitam a criatividade e o bem-estar.

Benefícios

Quais são os benefícios? A hipnose terapêutica conduz a pessoa a um estado especial de consciência. Assim, presta mais atenção aos seus recursos internos, liberta-se do desconforto e recupera rapidamente a saúde.

Qual a sua importância? A hipnose otimiza e maximiza, em qualquer tratamento, todos os resultados, além de, em relaxamento, reeducar o ritmo orgânico, o que gera saúde. Alguns autores sugerem que a hipnose, a nível neuroendócrino, pode auto-regular o organismo produzindo uma psiconeuroimunoestimulação. A hipnose pode ser utilizada por especialistas médicos, odontólogos e por psicólogos, conforme seus respectivos Conselhos.

E a regulamentação? Está devidamente amparada pelos Conselhos Federais: Psicologia, Medicina e Odontologia.

Indicações

E suas indicações? Hodiernamente aumenta a cada dia a quantidade de dentistas e médicos usando a hipnoanestesia em suas intervenções, associando ou não a anestésicos. Na psicoterapia ela tem produzido resultados incontestáveis em: fobia, estresse, síndrome de pânico, memória, depressão, tabagismo, timidez, ansiedade, insegurança, treinamento para o parto sem dor, gagueira, obesidade, sexualidade, alcoolismo, drogas, ajuda no controle da pressão arterial, descoberta de objetivos; preparação para: viagem, parto, cirurgias e provas; aceleração da aprendizagem e memória; reformulação de crenças limitantes entre outros, oferecendo equilíbrio mente–corpo, posto que se a mente pode produzir a doença, certamente conhece os mecanismos da cura.

Quem pode ser atendido? Pode-se atender em grupo ou individual, a partir de uma idade em que se tenha consciência. Há terapeutas que atendem crianças. Este psicólogo, em particular, faz terapia familiar, individual e de casal, adolescentes e adultos, tendo tido boas experiências com pré-adolescentes em torno de 9 anos e adolescentes.

O bem-estar que se promove com o levantamento do material que recalca o inconsciente pode ser feito de modo indireto como numa sondagem vesical ao se esvaziar uma bexiga plena. É um recurso artificial. Mas o que se quer é um trabalho perto daquilo que a natureza deu a cada um: o trânsito livre com o meio. É exatamente aí que funciona a hipnoterapia.

Isso é possível quando o paciente está em estado de relaxamento e se dá a hipnoanálise: um acesso imediato, autorizado, tranqüilo e protegido à causa do problema (evento traumático). Este fato produz um novo significado à situação (quebra do velho padrão) e a pessoa ganha a sua liberdade!

As idéias reprimidas, pensamentos de pressão, causadoras de comportamentos indesejáveis e inexplicáveis são vasculhadas e despressurizadas (levantamento do recalque) para a restauração do estado de equilíbrio energético no aparelho mental, resultando em sinergia entre emoção (hemisfério cerebral direito e lobo límbico-hipotalâmico) e razão (hemisfério cerebral esquerdo).

Freud em um de seus últimos artigos reconhece: “Ainda não foi encontrado substituto algum para a hipnose”.

João Manoel Previtali – Psicólogo Clínico – CRP 08/10492 – WhatsApp 41 99168-0343