Dessensibilização sistemática

Dessensibilização SistemáticaA Dessensibilização Sistemática foi desenvolvida pelo Dr. Joseph Wolpe, médico psiquiatra sul africano*.

Ele iniciou o processo de inibição recíproca com base nos princípios do Condicionamento Clássico segundo o qual “se uma resposta contrária à que provoca ansiedade é emitida em presença de estímulos produtores da mesma reação, a associação entre esses estímulos e a ansiedade diminui” e, posteriormente denominou o modelo como dessensibilização sistemática. Wolpe se inspirou nas pesquisas de Watson.

Em resumo, esse denodado médico passou a tratar pacientes com fobias associando uma sensação de prazer e relaxamento a situações reais ou imaginárias de medo e evitação.

Sabe-se que sentir medo e relaxar-se são classes de operantes incompatíveis ou comportamentos concorrentes. O resultado dessa intervenção foi o desaparecimento, paulatino e proporcional,  dos sintomas-alvo como: fobia, medo, ansiedade e similares passando o organismo a um aprendizado de extinção das ações inapropriadas.

O Dr. Wolpe orienta seguir três estágios para o treinar o cliente antes de começar a dessensibilização sistemática propriamente como tratamento:

1º) treinamento nas técnicas de relaxamento;

2º) treino no uso da escala de ansiedade SUDs – Subjetive Units of Disconfort;

3º) construção da hierarquia de medos;

O cliente inicialmente recebe treinamento nas técnicas de relaxamento. Wolpe sugere o relaxamento muscular progressivo de E. Jacobson. Após uma boa relação terapêutica e com o rapport estabelecido, o paciente é incentivado pelo terapeuta  a fazer aproximações graduais, sistemáticas e sucessivas, à situação ou o objeto temido, real ou imaginário, que lhe causava medo, de tal sorte que este processo resulte na restauração da autonomia do organismo ao estado de aptidão experimentado ante da ocorrência do evento crucial.

A estratégia de Dessensibilização Sistemática é empregada pelo Psicólogo João Previtali no Consultório de Psicologia Previtali em Curitiba

Referência:

1. Fobias: Quando o Medo é uma Doença, Dr. CYRO MASCI, médico psiquiatra. Disponível em http://www.cerebromente.org.br/n05/doencas/fobias3.htm

2. GUIMARAES, S. S. . Técnicas Cognitivas e Comportamentais. In: Bernard Rangé. (Org.). Psicoterapias Cognitivo Comportamentais: Um diálogo com a psiquiatria. 01ed.Porto Alegre: Artmed Ltda., 2001, v. 01, p. 113-130.

* Wolpe nasceu wm 20 de abril de 1915, em Joanesburgo e faleceu em 4 de dezembro de 1998, no estado da Califórnia, nos Estados Unidos da América. 
Formou-se em Medicina pela Universidade de Witwatersrand e, na Segunda Guerra Mundial, entrou para o Exército de África do Sul como médico oficial, trabalhando num hospital psiquiátrico e assistindo soldados com síndroma pós-traumático de stress, conhecido, na altura, por neurose de guerra. Terminada a Guerra, Joseph Wolpe trabalhou na Universidade de Witwatersrand e, mais tarde, mudou-se para os Estados Unidos da América, tornando-se professor na Universidade de Virgínia. Entre 1965 e 1988, foi docente na Escola Médica da Universidade do Templo, em Filadélfia.